26 de ago de 2009

O "bom e o mau selvagem" no cinema brasileiro

No artigo "Entre o bom e o mau selvagem: ficção e alteridade no cinema brasileiro" Juliano Gonçalves da Silva, da Unicamp, realiza uma análise da imagem do índio no cinema brasileiro, através do estudo de como o personagem indígena é por ele construído e veiculado através dos filmes de ficção de longa-metragem.

Dois filmes merecem especial atenção por parte do Juliano: Brava gente Brasileira (MURAT, 2000) e Caramuru, a invenção do Brasil (ARRAES, 2001), por apresentarem, através da visão dos seus diretores, um julgamento qualitativo que se estrutura segundo os dois pólos ideológicos extremos identificados por LAPLANTINE: o do bom e o do mau selvagem: "duas ideologias concorrentes, consistindo uma no simétrico invertido da outra: a recusa do estranho, apreendido a partir de uma falta, cujo corolário é a boa consciência que se tem sobre si e a sua sociedade, e a fascinação pelo estranho, cujo corolário é a má consciência que se tem sobre si e sua sociedade" (LAPLANTINE, 1988, p. 38).

Para quem tiver interesse pelo cinema brasileiro vale a pena conferir, no final do artigo, a listagem de filmes:

  • ALVES, Alfredo Roberto. Fernão Dias. 1956.
  • ANDRADE, Joaquim Pedro de. Macunaíma. 1969.
  • ARRAES, Guel. Caramuru, a invenção do Brasil. 2001.
  • BABENCO, Hector. Brincando nos Campos do Senhor. 1991.
  • BACK, Sylvio. Yndio do Brasil. 1995.
  • BARROS, Luz de. Ubirajara. 1919.
  • BELLI, Pino. O segredo da serra dourada. 1958.
  • BENGEL, Norma. O Guarani. 1995.
  • BERNOUDI, Edmond. Terra violenta .1948.
  • BIANCHI, Sérgio. Cronicamente Inviável. 2000.
  • BODANSKY, Jorge. Iracema, uma transa amazônica. 1975/80.
  • BRESSANE, Júlio. Os sermões. 1989/90.
  • CALDEIRA, Osvaldo. Ajuricaba: o rebelde da Amazônia. 1977.
  • CAPELLARO, Vittorio. O Guarani. 1916.
  • CAPELLARO, Vittorio. Iracema. 1919a.
  • CAPELLARO, Vittorio. Iracema. 1919b.
  • CAPELLARO, Vittorio. O Guarani. 1926.
  • CARDINALI, Vittorio. Iracema. 1949.
  • CARRARI, Arturo. Anchieta: entre o amor e religião. 1931.
  • COIMBRA, Carlos. Iracema, a virgem dos lábios de mel. 1979.
  • DAHL, Gustavo. Uirá, um índio em busca de deus. 1974.
  • DEUS, João de. O Guarani. 1920.
  • FARNEY, Cyll e VON CZIFFA, Geza. Lana, rainha das amazonas. 1966.
  • FREDA, Ricardo. O Guarani. 1950.
  • GUERRA, Ruy. Kuarup. 1988.
  • JÚNIOR, Walter Lima. Brasil ano 2000. 1968.
  • KHOURY, Walter Hugo. Na garganta do diabo. 1958.
  • KLOTZEL, André. Capitalismo Selvagem. 1993.
  • KOUCHIN, Jorge. Iracema. 1931.
  • LAMARCA, Tânia. Tainá, no país das amazonas. 2000.
  • LÁZZARO, Salvatore. O Guarani. 1911.
  • LUXARDO, Líbero. Aruanã. 1938.
  • MANSUR, Fauzi. O Guarani. 1979.
  • MAURO, Humberto. O Descobrimento do Brasil. 1937.
  • MAURO, Humberto, Os bandeirantes. 1940.
  • MASTROIANNI, Duílio. Além do rio das mortes. 1957.
  • MURAT, Lúcia. Brava gente brasileira. 2000.
  • OLIVEIRA, André Luiz de. A lenda de Ubirajara. 1975.
  • OLIVEIRA, Manoel de. Palavra e Utopia. 2000.
  • PALÁCIOS, Alfredo. Casei-me com um Xavante. 1958.
  • PEREIRA, Luiz Alberto. Hans Staden. 1999.
  • ROCHA, Glauber. Terra em Transe. 1969.
  • SANTOS, Nelson Pereira dos. Como era gostoso o meu francês. 1970.
  • SARACENI, Paulo Sérgio. Anchieta, José do Brasil. 1978.
  • SIDMAK, Curt. Curucu, o terror das amazonas. 1957.
  • SIDMAK, Curt. Escravo do amor das amazonas. 1958.
  • VERÍSSIMO, Paulo. Exu-piá coração de Macunaíma. 1984.
  • VIANA, Zelito. Avaeté. 1984.

Nenhum comentário:

Outros olhares...

Porque a realidade costuma ser opaca... e, não poucas vezes, nossos olhares escorregam na sua superfície